quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Conselho Estadual de Trânsito discute o projeto Área Calma


Olá!
 
Nesta segunda-feira, dia 7, foi apresentado em Curitiba o projeto da Área Calma na reunião do Cetran (Conselho Estadual de Trânsito). A apresentação foi feita pela Secretaria Municipal de Trânsito (Setran).

Luiza Simonelli e Mauricio Razera — secretária municipal de trânsito e diretor de engenharia da Setran, respectivamente — entregaram os estudos técnicos realizados para que o projeto fosse criado e esclareceram questões trazidas pelos membros do conselho sobre a região na área central do município que tem 40 km/h como velocidade máxima. Também foi discutido o remanejamento dos radares da cidade.

Segundo a secretária de trânsito, a reunião foi uma ótima oportunidade para destacar as principais medidas e avanços que estão sendo realizados pela atual gestão no trânsito em Curitiba. Ela também assegurou que o Conselho Estadual de Trânsito está sempre à disposição para fornecer qualquer informação solicitada por seus membros.

A Área Calma é uma região que engloba cerca de 140 quarteirões, dos quais a maioria se encontra no Centro. Ela se localiza entre as ruas Inácio Lustosa, Padre Agostinho, Visconde de Nácar, André de Barros, Nilo Cairo, Mariano Torres e Luiz Leão, além de um pequeno trecho da Av. João Gualberto. 21 praças e jardinetes se situam dentro desse perímetro, incluindo o Passeio Público, o primeiro parque do estado do Paraná.

O espaço tem como objetivo humanizar o espaço público da cidade, de forma que haja uma melhor convivência no trânsito. O já citado limite de 40 km/h tem o propósito de proporcionar mais segurança no trânsito. Também existem algumas vias cujo uso é exclusivo para pedestres.

Sérgio Póvoa Pires, presidente do IPPUC (Instituto de Pesquisa Planejamento Urbano de Curitiba), explica sua visão sobre o projeto: “É fundamental baixar a velocidade de circulação de todos os veículos para 40 quilômetros por hora, buscando proporcionar mais segurança e conforto para os cidadãos em seus deslocamentos, reduzindo o número de acidentes. No centro de todas as decisões deve estar sempre a dimensão humana”.

A fiscalização da Área Calma, que teve início no dia 16 de novembro, é realizada por 22 radares instalados em cruzamentos da região, que monitoram 62 faixas de circulação em 19 vias. Alguns também registram avanço de sinal, parada na faixa de pedestre e conversões e retornos proibidos. Também integram este cenário a sinalização que indica os limites da área, pinturas no pavimento e placas que indicam o limite de velocidade.

Fernando


Nenhum comentário :

Postar um comentário